domingo, 26 de março de 2017

TREINO DUPLO

Boas companheiros/as do pedal

Pois é, continuo com os treinos no gym e fora dele "corrida". 

Infelizmente o tempo é escasso. E por isso tenho adaptado o gym aos meus treinos. 

Aqui faço tudo que seja aulas colectivas, ontem foram duas horas seguidas de carga intensa. Era mesmo preciso e é para continuar.

Primeiro foram 60m de spinning com instrutor JP, que moca e muito exigente.

Super bem disposto, o meu favorito até agora.

Depois era para ir tomar banho e ir-me embora. O mesmo instrutor do spinning ia dar outra aula, mas de Body Pump, fiquei curioso,este convidou todos da aula de spinning, e aceitei o seu convite.

Penso que mais de metade da aula era pessoal do spinning. Levei tanta porrada. Tinha saudades, sério que tinha e é para continuar.

Foram apenas 120 m de intensidade. 

Pura intensidade. 

Tudo que me ponho é sempre para dar o litro. 

No spinning parecia uma cascata. 

No Body Pump uma Catarata. 

Eh Eh eh

Hoje o tempo lixou a minha volta. Ia a Monsanto pôr em prática a minha evolução do spinning. 

E treinar com uma amiga. Dá-lhe que se farta. É destemida.

Bem...
Bom domingo

quarta-feira, 22 de março de 2017

SESSENTA MINUTOS

Boas companheiros/as do pedal

Como tinha dito ontem no fecho da crónica. Ia pra a aula de 60m. É pá, estou a ficar viciado naquelas máquinas.

Até incentivos temos.  Tentem imaginar o que vejo. À minha frente está o instrutor. Muito porreiro. Sempre a puxar pelo pessoal. E há imagens projectadas nas costas dele.

Com imagens que gostamos. Pelos eu. Pois, sou o único que vai pra lá com calções e Jersey de Btt ou ciclismo. O instrutor também, mas esse não conta.

Já há alguns utilizadores com os sapatos de encaixe.

E o incentivo são provas de Cross Country recentes e algumas mais antigas. Não é bem a minha praia, porque é competição. É a minha onda.

Puxa imenso.

E mais para o fim, algo que adoraria fazer Titan Desert. Há melhor incentivo? Pra mim não... Lol

Quando acabou a aula, queria mais!

Ansioso pelas aulas de sprint. Será sempre a esgalhar, quase que levanto vôo. A máquina abana toda. Bruto. Talvez. Eu faço o meu. Sempre a dar o litro.

Bem,  amanhã vou fazer outras aulas para a ajuda ao abate do que há a mais em mim. Duas aulas numa manhã. 

Há que dar carga ao corpo.

Grande abraço... 

Depois conto-vos como foi.

terça-feira, 21 de março de 2017

EFEITO SPINNING

Boas companheiros/as do pedal

Como tinha dito na última crónica, que voltei ao asfalto mas na corrida.

Ontem foi mais um dia de C.

Antes disso, houve dois de spinning. Comecei gradualmente pra não morrer. Já tinha ouvido maravilhas e horrores.

Fui experimentar e a primeira aula de 30m, levei um excerto de porrada que fiquei a pensar nas próximas com mais tempo.

Quando não se sabe, experimenta-se, foi o que fiz. No dia seguinte já estava a fazer 45m.

Entrei no esquema.
Lógico que é tudo muito diferente da nossa bike.

Posição do selim, nada tem a ver com os nossos sofás.

O guiador é estranho. O meu tem 710mm, aquele deve ter uns 500mm, se muito.

Altura dos pedais. A distância das pernas do guiador.
Tudo condiciona.

A bike não abana, só se fores mesmo bruto. 

E sem esquecer que não podemos parar de pedalar. Tens de estar sempre a pedalar.

Conto-vos um pequeno episódio que me aconteceu.

Um erro de maçarico. Comecei a pedalar sem pôr o regulador de carga no mais leve. E depois ir regulando a carga à minha medida.

Aquilo já estava com alguma carga, mais a que tinha posto.

Atrapalhei-me, quis parar de pedalar e quase que deitava a máquina ao chão. A minha sorte sorte, é que uso sempre os pedais de encaixe.

Se fossem com as correias presas nos pés...

Esqueçam, o animal tinha feito o impensável.

Pra quem não sabe, no spinnig os pedais são de plataforma.

Têm é duas posições de prender os pés. Uma com encaixe SPD, e o outro com correias ajustáveis aos pés.

Na minha opinião, e numa bike, muito mais perigoso que os pedais de encaixe.

Com isto, fiz dois treinos consecutivos e o resultado vi ontem.

Ontem era pra ir fazer uma aula de 60m,  mas não consegui marcar. Para não ficar parado, fui correr. E como já não corria há uns dias, fiquei um pouco preocupado como seria a minha primeira corrida após os treinos de spinning.

Bem,  no início fui muito devagar como vou sempre. Depois no primeiros 3 km, manti o mesmo ritmo. Passado uns momentos comecei acelerar, mas acelerar bem. Nunca o tinha feito.

Normalmente fazia-o no início, quando estava fresco e nunca a meio ou no fim.

Resultado.

Melhorei na rapidez a correr.
E com a Grande Rota do Zêzere à vista.

Tenho de estar bem preparado. Para desfrutar da Rota e para não ir a sofrer.

Bem, agora vou começar a aula das 07.10 de 60m a esgalhar.

Inté

terça-feira, 14 de março de 2017

RUN

Boas companheiros/as do pedal

Neste momento estou-me a iniciar na corrida. Pois corrida. A pé. 

Não de bike e muito menos competição. 

A corrida será um complemento ao Btt. 

Já quando me desloco em Lisboa, para ir a qualquer lado na cidade, ou arredores. Tento ao máximo usar as ciclovias, apesar de me chatear inúmeras vezes com os demais utentes dela. Não os ciclistas, mas o resto que não é ciclista, e que não tem civismo nenhum. 

Essa escumalha. 

Perdi a paciência. 

Então para evitar chatices, e como não gosto andar na estrada com carros, a maioria deles inconscientes ao volante. 

Comecei a correr. 

Há uns anos, ainda na tropa. 

Ui, há muito tempo mesmo. Não sou nenhum velho, mas já saí há uns 14 anos da actividade. 

Aí corria com regularidade. Depois de sair, deixei. 

Agora ao 39 anos voltei, espero eu em força. Mais habitual que nunca. Este ano, só mais agora no fim de Fevereiro, é que retomei à carga. 

Vejamos, no sábado passado ao todo, corrida e caminhada, na casa dos 22 km, muito mais corrida que andar. Ontem, Foram 10. Hoje ainda vou correr. 

Quero apenas usar a corrida como um escape e um complemento à bicicleta. 

Não consigo correr sem música. Passo a vida em casa com os fones na cabeça. Adoro música mexida, nada das novas tendências. Tudo que da minha geração. Punk Rock e afins... 

Cada um com a sua sentença. 

As minhas voltas, são como as da bike. Começam e acabam em casa. Na corrida não faço não programado. 

Saio e logo se vê para onde vou. O objectivo não é correr mais rápido. Mas sim acabar a correr, e não faço menos de 10 km. E não gosto de parar, só em ocasiões extremas, como ir ao WC.

Apesar de ir sempre de fones, estou sempre atento. Sempre. Viro mais a cabeça a olhar para todos os lados, cruzamentos.

Mudança de direcção, do que muitos que andam na estrada com uma arma nas mãos. 

Chega de escrita e vou-me equipar e dar carga ao corpo. 

Inté

PESQUISA