domingo, 7 de setembro de 2014

SUCESSO

Boas companheiros do pedal

O blogue continua vivo! Eh eh

As minhas aventuras continuam, mas com outro nome, apostei algo a solo.

Era o que devia ter feito logo de início, caí no erro, mas levantei-me e o projeto intitula-se Longas Distâncias Btt.

Bem, já não vinha aqui escrever há uma eternidade. O decidido da anterior crónica, já foi realizado e com muito sucesso, foi uma viagem brutal.

Estreia absolutamente em tudo e tudo correu bem.

Desde da mudança de Bike - 26, para 29. À mudança da bagagem -A lforge, para mochila.

A mochila, levei um pouco de carga a mais do que o previsto, mas fiquei fã.

Ganhas mais liberdade e controlo da máquina, conclusão, a diversão aumenta.

Bati recordes pessoais:
- Quilómetros, foram 800.
- Dias, foram 11.

Nunca me diverti tanto numa viagem a descer como esta.

Realmente a roda 29, muda a tua vida e dá-te imensa confiança. É um autentico trator, foi concebida para lavrar.

Voltando à  viagem

A ida para França foi um pouco demorada, como não havia compartimentos T4 livres, no comboio ''Sud Express'', para a nossa ida,  tivemos de arranjar alternativas, uma delas era ir para Santiago, e posteriormente apanhar um autocarro para França.

E a outra foi a que fizemos, apanhámos um comboio para Salamanca, num dia, e no outro dois, um para Valladolid e outro de longas distância para a fronteira com a França, Irun.

Aí, foi mais um comboio até Hendaye. E depois um autocarro até a Saint Jean Pied do Port, destino final, seria aqui o ponto de partida, para esta épica viagem.

No início,  tinha planeado 9 dias,  mas depois alterei para 11, era mais sensato. Assim fazíamos a nossa travessia mais descansados, e assim foi.

Vou-vos deixar o link das fotos, cliquem no CAMINHO FRANCÊS

Obrigado e um grande ABRAÇO

terça-feira, 20 de maio de 2014

DECIDIDO

Boas companheiros do pedal

Estou a 10 dias de ir para Saint Jean Pie do Port, ainda ontem não sabia se tinha ou não companhia para a viagem. Decidido, liguei ao meu Incógnito parceiro de viagem e disse-lhe que não poderia estar num impasse constante e que tinha decidido que iria fazer a viagem sozinho.

Se entretanto ele achar que recupera até à próxima segunda-feira (26), será muito bem vindo... Oxalá que sim!

A minha preparação em termos físicos está boa, vou fazer o Caminho com tempo, não entro em corridas com ninguém, eh eh 

Vai ser o meu maior desafio bttistico de sempre.

Primeiro, vão ser pelo menos onze dias seguidos, o máximo feito foram 6.

Segundo, o máximo de quilómetros percorridos numa só travessia, foram 500, e aqui vou fazer aproximadamente 800.

Saint Jean Pie do Port - Santiago Compostela 
+/- 800
-

Terceiro, desta vez vou com Mochila e não Alforge, será que vai ser muito penoso? Pois não sei. Em termos de carga, vou levar o mínimo possível.


-
Deixa lá ver... de ferramenta, tenho de estudar bem o que vou levar. Tenho de pensar bem no peso, mas no entanto não ignorar algumas ferramentas, como vou sozinho, fico logo pendurado se não trazer,  aquela que ficou em casa.

Eh eh que confusão
-
Depois vem a Musica que vou levar, bem penso que uns 2G deve chegar, eheheh.... Discografia carregada no Cartão SD do telemóvel.

Arrumação desta tralha, divide-se pelos compartimentos da Mochila-Costas e pela Bolsa que levo na dianteira da bike. Se repararem na lista, há um pequeno desenho a retratar a mochila e é por aí que me oriento na arrumação. Para dividir o mal pela Aldeias, a Ferramenta vai na Bolsa à frente da bike, assim, as dores das costas serão menores.
Bolsa Ferramenta
-
Agradecimentos à Loja BIKEZONE - ODIVELAS, por ter-me patrocinado com algum material para a bike, que será necessário para a viagem. E à GRÁFICA ONDAGRAFE, que sem eles, os Panfletos e a Bandeira, não teriam a mesma qualidade.


-
Para quem não sabe, no decorrer da minha Travessia, vou aproveitar e espalhar a Mensagem, da Causa que abracei em Lisboa. 

Para dar a conhecer à história do Pequeno Ricardo Bruno, criei os panfletos para serem distribuídos ao longo do Caminho, como não gosto de pedir nada a ninguém, criei algo que sirva de chamariz, a Bandeira... Tem as cores nacionais, e está ilustrada com a foto do RB, e com o Link de acesso a mais informação.


-
"Um menino de quatro anos, que sofre de paralisia cerebral, quero angariar dinheiro para o seu tratamento, tratamento esse, que tem um custo elevado... Para mais informações basta irem à página - Cliquem em The Little Ricardo Bruno On The Way. "


Voltando à viagem

Programa da Ida
Gare do Oriente Lisboa / Porto  Campanhã (InterCidades)
Porto  Campanhã / Vigo (Linha Celta)
Vigo / Santiago de Compostela (Comboio Urbano)
Santiago de Compostela / Irun (Autocarro Alsa)
Irun / Saint Jean Pie do Port (Possibilidade de Comboio ou Bicicleta"=79km")



-
Até lá um grande abraço, e faltam 10 dias...



quinta-feira, 27 de março de 2014

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

2 EDIÇÃO - 3 CUMES

07.45/26Jan2014 - Domingo - Cavaleira, Sintra.

Boas companheiros/as do pedal,

Já há algum tempo que ando a baldar-me nestas andanças.

Bem, vamos começar

Saí de casa por volta das 06.50, ainda tinha de desmontar a bike e pôr dentro do carro. Gosto de fazer as coisas com calma, sem stress.

Arranquei sentido único, 2circular, IC19, A16, e destino final, parque de estacionamento Lidl da Cavaleira.
Hum, talvez tenha chegado um pouco cedo, pensava eu. Aproveitei para pôr gota no automobile, eh eh

Pouco depois voltei para o dito parque, e passado poucos minutos, chegou primeiro o Filipe e logo a seguir o Pedro. O Pedro não conhecia, veio através do Zé. Todos eram bem vindos, o que interessava era mesmo andar e passar uma manhã tão diferente de outras. E assim foi, com um pouco do água e lama à mistura!

Pouco depois começou aparecer o resto do pessoal, o João M, o Zé, Nuno, um dos anfitriões o Ângelo, com o Paulo F. O grupo estava completo, bem umas últimas afinações e siga, que já se fazia tarde. Arrancámos em direção a Sintra pela estrada, passando junto ao mamarracho do tribunal e chegando ao edifício Olga Cadaval cortámos à esquerda, aí fomos até ao Palácio Nacional. Parámos um pouco, para tirar a primeira foto de família.

Fotos tiradas e arrancámos outra vez, o início deste track, é muito louco e engana um pouco, para quem não vai preparado para uma volta destas. Desce um pouco no início. Há escadas, mas muito pouco. Não conheço as zonas por onde andámos, no fim da crónica ponho o link do track para depois vocês verem. Os locais que conheço, vou mencionar aqui.

Apanhámos uns trilhos muito loucos, e depois começámos a subir Colares em direção à Peninha, que seria o primeiro dos três cumes. E o que penámos para lá chegar!

No decorrer do percurso, cruzámo-nos diversas vezes, com o pessoal que ali estava na Corrida de trail, Fim da Europa.

Que começou junto ao Palácio de Sintra, e acabou no Cabo da Roca, é tudo estrada, mas ainda são 15 km e com muita subida, não é brincadeira nenhum, talvez um dia o faça. Continuando o nosso passeio. Ao chegar à Peninha, toca a tirar mais umas fotos e siga que já se fazia tarde, eh eh

Próximo cume, Pedra Amarela. Hum, estava a pensar qual a forma de a trepar. Para quem não conhece, este cume tem dois acessos, um fácil - médio, e a subida dos homens, difícil, não impossível. Quando lá chegámos, perguntei aos meus companheiros do pedal, de que forma queriam subir para a Pedra. 

Bem, a subida escolhida foi e mais difícil. Mesmo que não me sentisse capaz de a fazer, agora era tarde de mais, a minha única preocupação era o estado do terreno, com tanta chuva que tinha caído nos últimos dias, podia ser que estivesse cheio de regos. Ao chegar lá a cima, já lá estava outro grupo apreciar a mesma vista que nós na Peninha, nenhuma. Estava um nevoeiro denso, que não se via absolutamente nada.

Grupo novamente completo. Comeu-se umas barras para recompor energias e voltou-se a descer o que acabámos de subir. A descer todos os Santos ajudam... Chegando lá a baixo, virámos à esquerda e toca a descer até ao portão de madeira que faz ligação à estradão que vai dar ao Capuchos, ao chegar aos quatro caminhos, reagrupámos novamente e seguimos à direita, para o Carrossel, sempre a dar gás.

No fim desta, entrámos na estrada e pouco depois voltámos a sair, e já se avizinhava o terceiro e último cume, a impiedosa Santa Eufémia. Mas antes de lá chegar, ainda íamos sofrer um bom bocado.

No fim do sofrimento, começámos a descer, e reparámos que o pessoal que vinha atrás de nós, estava demorado. Voltámos para trás, até pensei que tivesse sido um furo, infelizmente não foi um furo, foi bem pior, uma queda, que podia ter sido bem pior. Aquela zona é tramada.

Eu felizmente não caí, tive mesmo muita sorte, consegui passar por uma vala, sem ter sentido o cheiro daquela terra molhada.
Ainda tínhamos uma subida pela frente, bem, era mesmo e última. O Paulo F, aguentou-se bem e foi connosco.

Ao chegar ao miradouro da Santa Eufémia, tirámos mais umas fotos, não à paisagem que não se via nada, mas ao pessoal que estava tudo na galhofa. Assim vale a pena andar, a boa disposição reinou sempre no grupo.

Descemos o que alguns acham um martírio a subir, e partilho dessa opinião. E o fim do passeio estava próximo, ao chegar ao automobile, fomos lavar as máquinas e depois, fui despedir do pessoal e siga para casa, que nesse dia ainda fui pegar às 23h15, para sair do trabalho às 07h30.

Valeu a pena, obrigado a todos que foram!

Grande abraço



PESQUISA