terça-feira, 15 de agosto de 2017

PASSEIO SOLIDÁRIO - TURQUEL

Boas companheiros/as do pedal

Domingo - 13 Agosto 2017

Eu, mais dois amigos aceitámos o convite de ir a Turquel - Alcobaça, a um passeio solidário.

No inicio não sabíamos ao que íamos, qual a Causa do passeio. Julgámos que tivesse a ver com o Clube de Hóquei da região, mas depois ficámos a saber a verdadeira razão. 

tudo pronto, siga para Turquel
-

O caminho para lá, até foi rápido, talvez uma hora de viagem - A1, saída de Aveiras, depois seguir na N1/IC2 lá da zona até Turquel, é num instante.

Quando lá chegámos só havia uma pessoa com bicicleta "Anabela", deu logo para ver que o resto do pessoal era da zona.

Lá fomos comer algo ao bar do pavilhão do Hóquei Clube de Turquel, onde o pessoal do Btt se encontra, e aos poucos foi-se recompondo o ambiente.

A nossa anfitriã "Carla Lourenço", chegou e cumprimentou-nos ainda no Bar, depois fomos para junto do carro, e logo nos introduzimos no ambiente que se estava a viver.


MarcoSobre
-
Carla com a Sónia
-

Minutos depois, lá se deu um pequeno briefing do passeio, e a sua respectiva partida. 
-

Havia duas distâncias do passeio de btt - 35 & 55 km, e uma corrida, em prol do movimento. 

Bem, a partida do pessoal dos 55 km, levavam lume, tudo assapar. Pouco depois a nossa partida, mais num modo de passeio = cruzeiro.

-
-

No passado dia 23 de Julho, houve Maratona em Turquel, aproveitaram os dois troços para o Passeio Solidário. Ainda havia marcas no chão, e fitas balizadoras, e assim os cerra-filas iam limpando as fitas deixadas.

-
-

Como não conheço a zona e fiquei apaixonado pelos trilhos que fizemos, são muito parecidos aos da Maratona dos Superfresco, em Assentis, zona que tão bem conheço.

Adoro este tipo de terreno, pedra embutida no chão, a terra laranja, não fosse eu todo Laranja, eh eh eh eh

Percurso bastante rolante, alguma subida, boas descidas, como era um passeio, e ainda bem, estou em baixo de forma, mais redonda, também é forma.

No inicio fui na roda do Marco e depois no da Sónia, sou mesmo maluco, estes dois têm energia inesgotável, mais a Sónia, mesmo sem dormir, a Mulher anda que se farta.

-
-
A fotografa de serviço 
- MUITO OBRIGADO PELAS FOTOS-
-
O pessoal da organização 5*
-
SObRE.PT
-
Baganha da Zona, Lol
-
 ESTICA lá da zona
-
 Sónia in action
 -
Parte da diversão
-

No final houve um come e bebes, e muito convívio. O mais importante é que podemos ajudar e contribuir para uma causa tão Nobre. Espero que o Jorge recupere o mais rápido possível.

-
O "* ESTICA" tem concorrência em Turquel
-
À amizade e aos Novos Amigos
-

"Nota * - Quem é o ESTICA?

É um ciclista sessentenário, é porta estandarte do Grupo Cicloturismo Vitória Clube de Lisboa, e que é reconhecido pelo seu estilo inconfundível e único, de usar uma fita vermelha presa no capacete."

Adorei conhecer-vos, mesmo. A distância não é muita, e pelo menos uma ou duas vezes por mês, deve dar para lá ir. Pessoal super hospitaleiro, uma pessoa assim até se sente em casa. 

Eu senti-me e a Sónia, só dizia, quero cá voltar, o Marco a mesma coisa. 

Uma coisa é certa, quero uma Jersey deles
-

BEM HAJAM
-

FIM

terça-feira, 1 de agosto de 2017

LISONJEADO

Boas companheiros/as do pedal

Ontem no trabalho, fui abordado por um senhor a pedir informações de estacionamento de uma moto. Até aí tudo bem.

O insólito aconteceu. Chamo-lhe insólito, porque não é todos os dias que te dizem o que Ele, o mesmo senhor da moto me disse.

Após ter estacionado a moto, começou a olhar para o meu cartão a ver o meu nome. Achei estranho, mas depois veio o que não estava à espera.

Ele vira-se e diz, que queria ter a certeza que era mesmo eu.

E que só faltava pedir-me um autógrafo. Ainda sem saber o porquê daquilo tudo.

Ele responde que segue as minhas viagens no fórumbtt, no blogue, nas páginas do Facebook. Há melhor? Fiquei sem jeito.

Eu apenas faço o que gosto e nunca fiquei à espera que me digam tais coisas, como servir de inspiração.

Muito bom.

Fiquei lisonjeado

Obrigado PSampaio

SÁBADO / DOMINGO

Boas companheiros/as do pedal

Já algum tempo que não dava duas seguidas... 
Mentes perversas! 

Sábado fui andar com quatro amigos, Carecada em peso.


-

Combinámos na Galp de Loures.

Saímos daí até Bucelas por estrada.

Depois fizemos uns trilhos que não conhecia.

Fizemos um ataque ao forte de Alqueidão. 

Já não ia lá há uns 4 anos.

Descemos bem. E subimos também muito bem. Singles à maneira. Já tinha saudades de andar com este pessoal, e conhecer cantos novos do meu quintal.

 Adorei

 Para repetir, sem dúvida
-

DOMINGO

6ª Edição da Maratona de RibamarBtt.

-

O ano passado não consegui desfrutar porque andava com o apêndice agarrado. Não deixava andar. 

Nem ele nem ninguém. Cortado e bem cortado. Desta vez diverti-me à GRANDE!

-
 
 
 
-

O Marco ao início ia para ganhar, parecia um foguete. Nunca mais o vi. É daqueles gajos que diz que não anda nada e depois vê-se. 

No único abastecimento, lá o reencontrei, é pá que abastecimento. Bifanas. E bem boas. Comi umas duas. Depois queixo-me que estou redondo. 

Os fotógrafos, belas chapas, grandes fotos mesmo. Belos ângulos. E eu nem sabia que voava.

Marco

 
 
-

Dou os parabéns não só pela comida, mas por tudo que a Equipa do RibamarBTT fez este ano.

Mais uma vez servi de mecânico na prova. Não para mim, tenho tido muita sorte nesse sentido. Até mesmo em quedas. 

Encontrámos um participante sem corrente. E como eu tenho tudo e mais alguma coisa, lá o safei. Elo de 10v. Lembram-se do Sport Billy, ora aí está... 

-
-

Gostei muito da maratona. Este ano alguns trilhos já os tinha feito mas na direcção oposta. E outros tantos novos. Sem dúvida. Estão de parabéns todos os intervenientes, sem esquecer ninguém. 

Para acabar, o almoço, divinal! 

E foi assim o fim de semana
Quando me fui embora, ainda peguei ao serviço das 16 às 23, custou mas valeu a pena os dois passeios.

O gordo a voar
-

The EnD

quinta-feira, 20 de julho de 2017

À DESCOBERTA

Boas companheiros/as do pedal

Passado domingo, consegui reunir três amigos, e um deles a estreia absoluta na Serra de Sintra,

Costuma-se dizer nem 8 nem 80, mas neste caso uso-o como uma comparação

8 pela positiva,  porque adorou a Serra, e 80 pela negativa, porque não acabou como queria, problemas técnicos, dois furos, ambos no pneu traseiro.

Ao colocar câmara de ar, provavelmente o que provocou o segundo furo, terá sido o taco que o pneu já tinha, originou uma mordedela de cobra.

Turma Laranja
Mordedela Cobra
-

Bem, começando pelo inicio...

Primeiro problema, o transporte das máquinas. O suporte que tinha, era e é de fixar na mala, logo aí tenho de ter a matricula destapada e não foi isso que aconteceu, corri o risco de levar uma multa. Duas das bicicletas, não se conseguiu tirar a roda da frente.

Matricula ficou assim tapada
-

Ao chegar à Cavaleira, coloquei o carro na repsol, e lá fomos nós sem track especifico, e à descoberta. Ao sair da Cavaleira, fomos em direcção à zona histórica de Sintra, Palácio das Chaminés, e nem foto da praxe tirámos, siga que já se fazia tarde.

No inicio queria entrar na serra por um percurso que conhecia, enganei-me e fomos dar a outro que já tinha feito, numa zona que não sei o nome, parámos a primeira vez para bebermos uma bejeca, e que bem que soube, a partir daí estávamos entregues à sorte dos trilhos que nos aparecem.

Fromme
 Depois do Pequeno-Almoço, só parámos na Bejeca
-

Logo ao sair da zona do café, apanhámos algumas paredes, e houve uma, filha da Mãe que parede, consegui fazê-la, que orgulho, foi dura, e eu não estava andar nada, mesmo nada, esqueçam. O meu último treino, volta destas, foi há três semanas e por acaso nesta serra (SObR3).

-
 Estendal do Nuno
-

Passado uns momentos, entusiasmei-me e eles ficaram um pouco para trás, não de eu estar andar muito, mas pelo o facto do Johnny ter furado a primeira vez, lá voltei e deparei-me com o pneu do Johnny a vir-se. 

Ya mesmo, há provas, pelo menos uma ou duas fotos do liquido nas plantas.

-

Pouco depois de termos posto a única câmara de ar 29 existente na volta, retomámos ao giro, nem sabia onde andava. Pouco depois vi onde estávamos, já me era familiar os trilhos, e assim chegámos aos Capuchos, onde tem o estacionamento e a torneira. 

-

Lá abastecemo-nos de água, comemos algo mais, e seguimos com destino Pedra Amarela, fomos até aos 4 caminhos e dali descemos o trilho que vai para a barragem da mula. 

Há duas bifurcações e eu como guia, enganei-me, e ainda bem, fomos dar mais ao menos a meio do trilho das pontes, só lá tinha passado uma vez e tinha gostado, nada como apresentar o tal trilho aos meus companheiros. 

Mais uma vez entusiasmei-me, e eles demoraram a vir, algo se passa, voltei para trás novamente, só que desta bem que subi, era novamente o pneu do Johnny. 

Toca a desmontar tudo novamente, lavar o pneu por dentro, tirar melhor aquela nhanha do liquido do tubeless, e procurar o tal furo, foram dois, a tal Mordedela da Cobra.

-
-

Depois de ter limpo e remendado o pneu, ainda deu para curtirmos uns trilhos, alguns a descer, como o resto do trilho das pontes, que era mesmo ali ao lado. 

Depois fizemos outra subida, na continuidade do trilho das pontes, e para quem vai para o outro lado, mais um desafio, tudo seguido, com muita raíz pelo meio, nada que eu não goste, adooooooooooooooooro.

Ainda deu para fazer mais uma paragem para descansar, estava imenso calor, o dia estava um espectáculo, e quando voltámos à estrada, subimos o trilho das minas até quase ao inicio / fim da subida dos Homens, o acesso mais duro à Pedra Amarela.

O johnny estava embruxado, o terceiro e último furo foi ali perto, como íamos subir à Pedra, eu tentei ir montado e dei-me bem, fiquei super contente comigo, pensava que estava bem pior, e aquela subida quebra muito, e como a última vez que tinha ali andado, já tinha sido bem perto de umas 3 semanas, nunca imaginei trepar o que trepei e ter conseguido sem desmontar.

Pedra Amarela
Serra tem destas vistas de ficar sem fôlego
 Nóis
Nóis Again - With Nuno
-

Para terminar, a única solução que se encontrou foi, eu e o Nuno fomos a pedal até à Repsol da Cavaleira buscar o carro, e ir ter com eles. 

Demorámos quase tanto tempo de carro como de bike, aquilo em Sintra é impossivel, não dá para andar, só transito, pelo menos até ao cruzamento para a Regaleira e para o Palácio da Pena.

No final foram só 35 km, mas gostei mais da altimetria positiva.



FIM

PESQUISA